quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Governo Estadunidense Rejeita a Classificação de Ditadura ao Regime Angolano


EUA rejeitam classificação de Angola como ditadura


Que podemos dizer disso?



Não é surpreendente esta posição dos Estados Unidos da América. Faz parte da estratégia de não mexer no que é bom para os interesses dos EUA. Desde a independência angolana em 1975, o governo americano apoiou todos movimentos que se opunha ao governo da MPLA, partido no poder em Angola e nomeava este regime como não legítimo. Esta guerra mudou quando o governo angolano disponibilizou a este país abutre o petróleo angolano. Ai, o ocidente tratou de tramar a morte de quem antes o apoiava na sua plenitude e que chegou a fornecer armas/mísseis potentes Sting, mísseis que nunca na história dos EUA foram vendidos a nenhum governo "amigo" que fosse. Falo do líder morte, Jonas Savimbi, primeiro presidente da UNITA, o Galo Negro. A partir daí, começou a surgir caso de amor com o governo angolano. Não importa se este governo luta com os meios de comunicação, mata jornalista, não existe eleições a muito tempo, que o regime angolano mudou a constituição para acomodar interesses do Zedú, ou seja, José Eduardo dos Santos como o chamam o circulo de puxa sacos de seu governo.
Contudo, acredita-se que esta declaração é de facto estratégico em um governo americano. Quem não se lembra do "amor" que nutria nos últimos tempos pelo governo do líder morte líbio Kaddafi? Quando sentirem que os interesses Estadunidense estão em risco, mandarão este governo da MPLA para alguma cova da mata de Huambo ou para qualquer lugar. Irão "despertar" o povo angolano e "salvá-lo do governo e regime tirano". Assim funciona os interesses ocidentais.
O Zedu não atrapalha os interesses delapidadores ocidentais em Angola, na Comunidade do Desenvolvimento da Africa Austral (SADCC) e muito menos em Africa.
Mas atenção! Algo de estranho vêm ai. Recentemente, o governo dos Estados Unidos da América deslocou soldados à ou melhor, para Uganda com objetivo de auxiliar as forças governamentais de Yoweri Musseveni a destruir os rebeldes da Resistência Nacional do Senhor. Este é a reentrada deste governo Felino e abutres na Africa Subsaariana depois do abandono da Somália em 2002, deixando aquele país num caos.
Não foi para menos. Na Somália, depois das forças do General Farai Ai Didi arrastar um soldado americano por quilômetros amarrados num jeep e expor-lo na mídia, aliada a isso à falta naquele país de jazidas de petróleo a não ser bananas simplesmente, a saída foi abandonar a Somália.
Africa, Acorda que o mundo está a viver a chamada globalização e neste "quintal" qualquer um que queira interagir/cooperar consigo, a deves considerá-lo concorrente e não simples parceiro, pois se assim o considera assume uma posição ingênua neste tempo.
Cada nação esta em constante busca de posição e acomodação de seus interesses e como contraponto exige-se a preparação de seus cidadãos em ferramentas críticas, criativas, invetivas e empreendedoras de modo a se colocarem no seu espaço como protagonistas e não simples espectadores, empregados ou manipuláveis.
Atenção! O mundo é movido por interesses ocultos e todos nós somos convidados a entrar no jogo. Ganha quem joga e melhor. Paralelamente a isso observar e ter atitude perante o jogo do adversário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário